Bombeiros tentam resgatar menino que caiu em poço estreito de 100m


Cerca de 100 homens trabalham sem descanso, nesta segunda-feira (14), tentando resgatar um garoto que caiu ontem em um profundo e estreito poço no sul da Espanha.

A tarefa – bastante complexa, segundo as autoridades – mantém os espanhóis em suspense.

“Continuam os trabalhos dos serviços de emergência para ter acesso ao fundo do poço, onde, no início da tarde de domingo, caiu um menino de dois anos, em Totalán, Málaga”, tuitaram hoje pela manhã os serviços de emergência da Andaluzia.

 

Até agora, foi possível localizar no poço apenas um saco de guloseimas que estava com o menino, disse a subdelegada do governo em Málaga, María Gámez, à emissora Antena 3.

As equipes se concentram em um estreito buraco de 25 centímetros de diâmetro e de 100 metros de extensão cavado para buscar água.

A complexidade dos trabalhos “é alta”, devido às características do terreno, afirmou María.

“Continua caindo material que se compacta, é úmido. A zona é fria. Definitivamente, não é fácil continuar rastreando”, acrescentou a subdelegada.

De qualquer maneira, a operação se manterá “até que o garoto seja localizado”, garantiu a porta-voz dos serviços de emergência da Andaluzia, Elena Trigo, à rádio pública RNE.

Os pais do menino “estão arrasados” e estão “sendo atendidos desde o início por uma equipe de psicológos”, acrescentou a porta-voz.

Segundo a família, o garoto caiu no poço não sinalizado, quando brincava no terreno perto de onde seus pais almoçavam na serra de Totalán.

A operação está sendo acompanhada de perto pela imprensa espanhola e gerou inúmeros comentários nas redes sociais.

No Twitter, o presidente do governo, Pedro Sánchez, disse compartilhar “a angústia da família do menor” e pediu que se mantenha “a esperança no melhor desfecho”.

“Ninguém está preparado tecnicamente para resgatar um corpo em um espaço tão estreito”, lamentou María Gámez.

“Mas existem tecnologias para ter acesso a locais estreitos e profundos, como é o caso, e todas estão sendo levadas em consideração”, completou María, que agradeceu a “tantas empresas (…) de toda a parte da Espanha que estão nos oferecendo suas soluções”.





Fonte: O Tempo