‘Congelamento’ nas bolsas da Capes pode afetar atendimento à população em Bauru | Bauru e Marília

Bloqueio nas bolsas da Capes pode afetar atendimento à população em Bauru


A decisão da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) de realizar um “bloqueio preventivo” em bolsas de pesquisa a alunos de cursos de pós-graduação pode ter em Bauru (SP) um efeito que vai além do prejuízo às pesquisas. A população também poderá ser afetada com a queda nos atendimentos.

Só no campus local da Universidade de São Paulo (USP), 13 bolsas de mestrado e doutorado foram congeladas para alunos dos cursos de odontologia e fonoaudiologia. Isso significa que esses alunos da pós-graduação perderam o apoio financeiro que teriam para se dedicar aos estudos.

Bloqueio nas bolsas da Capes pode afetar atendimento à população em Bauru

Luís Fernando Azambuja Alcalde é estudante do doutorado na Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) e é um dos 200 alunos da campus que contam com essa ajuda financeira para se dedicar ao curso e à pesquisa. Ele também faz atendimentos ambulatoriais de graça à população.

“Como a maioria dos alunos da pós são de outros estados, a bolsa é de fundamental importância para podermos desenvolver as atividades de pesquisa e também as ambulatoriais. Sem isso, termos de procurar outras fontes de renda”, disse Alcalde.

Segundo a presidente da Comissão de Pesquisa da FOB, Izabel Rubira de Bullen, nenhuma bolsa no campus de Bauru era ociosa e já havia alunos esperando o pagamento do benefício.

“Todos eles estavam em processo de transferência de um mês para outro mês, e esse intervalo é para o aluno preparar a documentação antes de a bolsa ser novamente implementada, ou seja, elas não estavam ociosas”, garante a diretoria da FOB.

Para Luís Fernando Azambuja Alcalde, bolsista na faculdade de odontologia, atendimentos ambulatoriais podem ser prejudicados — Foto: TV TEM/ReproduçãoPara Luís Fernando Azambuja Alcalde, bolsista na faculdade de odontologia, atendimentos ambulatoriais podem ser prejudicados — Foto: TV TEM/Reprodução

Para Luís Fernando Azambuja Alcalde, bolsista na faculdade de odontologia, atendimentos ambulatoriais podem ser prejudicados — Foto: TV TEM/Reprodução

Segundo a Capes, os “bloqueios preventivos” das bolsas são resultado de um contingenciamento de despesas por parte do Ministério da Educação. Dos 200 mil benefícios em todo o país, 3.474 (1,75%) foram suspensos.

Os valores das bolsas são de R$ 1,5 mil para mestrado e de R$ 2,2 mil para doutorado. A decisão do governo impede que novos candidatos recebam bolsas que já tinham verbas liberadas e impacta diretamente nas pesquisas feitas pelos alunos.

Segundo a Universidade Estadual Paulista (Unesp), 189 bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado foram suspensas em todo o estado. A universidade disse que vai trabalhar em conjunto com o Fórum de Pró-Reitores da Pós-Graduação e Pesquisa para tentar reverter os cortes.

Na região, foram cortadas três bolsas em transição na Faculdade de Ciências Agronômicas de Botucatu e uma na Faculdade de Comunicação, Artes e Arquitetura (FAAC), do campus de Bauru.

Segundo o coordenador do programa de pós-graduação da FAAC, Danilo Rothberg, os cortes prejudicam os alunos que querem se dedicar aos estudos e à pesquisa no Brasil.

“Quando as pesquisas são interrompidas, há um prejuízo para a sociedade porque as pesquisas que gerariam benefícios à população deixam de ser produzidas”, explica Rothberg.



Fonte: G1