Correio técnico: o que é melhor para aferir o consumo de combustível?

Computador de bordo do CR-V EXL


Recursos eletrônicos ganharam confiabilidade, mas ainda há uma alternativa tradicional

Por
Rodrigo Ribeiro

access_time

15 mar 2019, 19h41

A precisão do computador de bordo tem melhorado ao longo dos anos

A precisão do computador de bordo tem melhorado ao longo dos anos (Acervo/Quatro Rodas)

O que é melhor para aferir o consumo? O computador de bordo ou a medição tanque a tanque? Lúcio Carvalho, por e-mail

O computador de bordo. Hoje em dia a injeção eletrônica consegue trabalhar com altíssima precisão, dosando somente a quantidade de combustível necessária para a combustão mais eficiente.

Isso também permite que a central eletrônica controle de forma rigorosa o fluxo de combustível e, com isso, monitore o consumo instantâneo ou médio do veículo.

Fazer a medição tanque a tanque requer que o proprietário sempre abasteça o carro até sua capacidade máxima e exige alguns cuidados.

O ideal é que o reabastecimento ocorra na mesma bomba que completou o tanque anteriormente e que o frentista pare no primeiro desarme do bico, para evitar danos ao cânister – e mesmo assim a precisão não é total.

Eletrônica topo de linha

A medição tanque a tanque é possível, mas exige cuidados específicos.

A medição tanque a tanque é possível, mas exige cuidados específicos. (Acervo/Quatro Rodas)

A forma mais precisa para medir o consumo de combustível é usar um sistema chamado PLU.

Ele usa pulsos eletrônicos para monitorar a quantidade exata de gasolina, etanol ou diesel que passam pela linha de alimentação do carro.

O problema é que, além deste equipamento ser caríssimo, ele exige mudanças na tubulação de combustível do carro para ser instalado.

Por conta disso, ele é usado majoritariamente por fabricantes e fornecedores.

Tem outras dúvidas? Envie sua pergunta para correiotecnico@abril.com.br!





Fonte: 4Rodas