Cortes de cabelo de Kim Jong-un e Donald Trump viram moda no Vietnã


A uma semana da reunião entre Donald Trump e Kim Jong-un, a capital do Vietnã, Hanói, já está tomada pelo clima do evento político mais importante do ano no país, o que tem influenciado de artistas a comerciantes locais.

“Nos últimos 3 dias, fiz 200 Costes de cabelo com o estilo de Kim e somente 5 com o estilo de Trump”, disse o cabeleireiro Le Tuan Duong em seu salão, que nesta quarta-feira foi “invadido” pela imprensa internacional.

O dirigente norte-coreano fará sua primeira viagem ao Vietnã – segundo fontes, ele pretende viajar quase a totalidade dos 4 mil quilômetros que separam os dois países de trem – para participar do encontro com o presidente americano nos dias 27 e 28 de fevereiro.

“Eu faço estes cortes de cabelo de graça porque gosto (da ideia) da realização do encontro”, disse o cabeleireiro de Hanói.

Este será a segunda cúpula de Trump e Kim e Washington espera que nesta ocasião as partes consigam avançar no plano de desmantelamento dos arsenais nucleares e balísticos de Pyongyang.

Nesta quarta-feira, 20, entre os clientes do Duong estava o cantor Trinh The Phong. “Admiro Kim e por isso mudei meu corte de cabelo para o mesmo que ele”, afirmou.

Do outro lado – do salão de cabeleireiros e da política, outro cantar, Vuong Bao Nam mudou seu estilo para que seu cabelo chegasse na mesma tonalidade de Donald Trump. “Para mim, Trump é um homem excelente e é por isso que quero o mesmo corte que ele.”

Nas telas

Um artista plástico vietnamita também tenta aproveitar o evento internacional e tem se dedicado a pintar retratos do presidente americano e do líder norte-coreano.

“Eu realmente gostaria que os dois líderes, ou pelo menos um deles, viesse aqui para ver o meu trabalho”, explicou o artista Tran Lam Binh em um café em Hanói, onde trabalha.

A Coreia do Norte, no entanto, ainda não confirmou a participação na cúpula com Trump. Toda a informação a este respeito foi divulgada pela Casa Branca e os detalhes da visita do líder norte-coreano, sempre muito discretos, permanecem desconhecidos. 





Fonte: O Tempo