Festa do River tem exaltação a Gallardo, provocação a Macri e confusão


Se jogou em Madri, mas o sofrimento e celebração foram absolutos em Buenos Aires. O River Plate se consagrou campeão da Copa Libertadores após vencer o clássico contra o rival Boca Juniors no domingo, por 3 a 1, na prorrogação, no Santiago Bernabéu, em uma final que durou quase um mês e incluiu um adiamento por temporal e depois sua suspensão e mudança à capital espanhola por casos de violência, um fato inédito na história do torneio sul-americano. 

Apesar do desgosto provocado nos torcedores das equipes pela disputa da partida decisiva pelo título na Europa, cada um deles a viveu em Buenos Aires com a mesma intensidade, sofrimento, emoção e loucura que se tivesse sido jogada no campo rival. 

Milhares de torcedores do River Plate – estimados 60 mil – festejaram no Obelisco na noite de domingo a quarta Libertadores conquistada pelo clube. Durante a madrugada, houve incidentes de violência, com torcedores jogando pedras e outros objetos contra policiais, o que provocou a detenção de pelo menos vinte pessoas, ainda que 2 mil agentes tivessem sido destacados para fazer a segurança no centro de Buenos Aires. 

Também não faltaram provocações. “Um minuto de silêncio para o Boca que está morto”, cantavam os torcedores, em êxtase, quando davam uma volta olímpica ao redor do Obelisco agitando bandeiras vermelhas e brancas sob chuva torrencial que, em seguida, dissipada, deu lugar a um arco-íris.

 

Os torcedores ainda exaltaram o técnico Marcelo Gallardo, um dos maiores ídolos da história do River Plate. E também houve insultos ao presidente da Argentina, Mauricio Macri, que comandou o Boca durante mais de uma década, antes de se lançar na vida política. “Parabéns ao River e a todos os seus torcedores pela vitória neste jogo histórico. Nós do Boca sabemos que o futebol sempre permite a revanche”, escreveu em seu perfil no Twitter. 

Outras centenas de torcedores gritavam “dá-lhe campeão, dá-lhe campeão” em frente ao Monumental de Nuñez, onde deveria ter sido disputada a final, mas a Conmebol a retirou de lá como punição ao River após o ataque de um grupo de torcedores ao ônibus que levava os jogadores do Boca Juniors para a disputa da finalíssima, inicialmente marcada para 24 de novembro. Além disso, se ouviu buzinaços de carros e motocicletas nas ruas de Buenos Aires. E a festa dos torcedores também ocorreu em diversas cidades das diferentes províncias da Argentina. 

No sul de Buenos Aires, havia desolação. Muitos torcedores do Boca viram o encontro nos arredores do estádio La Bombonera, onde em 11 de novembro as equipes empataram por 2 a 2 no jogo de ida da final. 

Choraram de alegria pelo gol de Darío Benedetto que deu ao Boca a vantagem provisória no primeiro tempo e acabaram desconsolados em frente à imagem do capitão do River, Leonardo Ponzio, levantando a Libertadores após o triunfo por 3 a 1, definido na prorrogação. 

Vários culparam o técnico Guillermo Barros Schelotto pelas substituições e outros simplesmente saíram com a cabeça baixa ansiando por uma vingança, mas em solo argentino.





Fonte: O Tempo