Giba ajudará Cacá Bueno a decolar marca de material esportivo · Notícia · Máquina do Esporte


O ex-capitão da seleção brasileira de vôlei e campeão olímpico Giba tem uma nova incumbência: ajudar o amigo Cacá Bueno, pentacampeão da Stock Car, a promover a Zebra, marca de roupas esportivas lançada pela 3TL Consumer Goods. O ex-jogador de vôlei, inclusive, veio da Polônia, onde mora, para o Brasil e ficará por aqui realizando uma série de ações para ajudar na divulgação da marca.

A primeira foi no último sábado (8). Giba liderou um grupo de 13 pessoas que partiram do Bistrô Paris 6, no Jardim Paulista, em direção ao metrô com o intuito de percorrer algumas estações. O grupo acabou arrastando uma multidão nas paradas nas estações Bresser e Tatuapé. O ex-jogador distribuiu abraços, trocou passes de vôlei e ainda dançou com alguns passageiros.

“A ideia é surpreender e dar alegria ao povo. Eu só quero retribuir tudo o que eles me dão. Como não faço mais pontos nas quadras, decidi fazer estas ações para ver todo mundo feliz”, revelou Giba.

Foto: Divulgação

Atualmente, a 3TL conta com investimentos de mais de 120 pessoas físicas de várias partes do mundo, entre elas Brasil, Estados Unidos e Europa, com escritórios no Rio de Janeiro e em Curitiba, no Brasil, e outras partes do globo, como Miami (EUA) e Bangladesh. Cacá está desde o começo, com Giba entrando apenas agora.

A Zebra Sportswear é o primeiro ativo da empresa, que teve uma primeira experiência no país via e-commerce, nas lojas Dafiti e Netshoes, em 2015. Agora, após uma série de análises, a marca retornou e já possui produtos em 60 lojas físicas no estado de São Paulo, em unidades das redes Sport City e Tennis Station.

De acordo com o site Meio & Mensagem, o objetivo é expandir para outros mercados nacionais a partir da metade do ano que vem. Já a longo prazo, a meta é se tornar líder entre as marcas nacionais, à frente de fabricantes tradicionais, como Olympikus, Penalty e Topper, e se infiltrar entre as cinco marcas internacionais que atuam no país até 2030.

Segundo o site do DCI, a receita operacional bruta da empresa deve chegar a R$ 450 milhões ao ano em cinco anos, e a ideia é alcançar R$ 1 bilhão de faturamento até o final da primeira década de existência. A companhia pretende atingir 3,5 milhões de peças comercializadas por ano, com ampliação gradativa da cobertura geográfica, inserção de novas linhas de produtos e início do posicionamento da marca. Tudo isso sob o rótulo de que “até do lado avesso é a melhor roupa do Brasil”.

Vale ressaltar que, atualmente, a Vulcabras Azaleia, dona da marca Olympikus, é a líder do segmento no país. A empresa encerrou o terceiro trimestre de 2018 com um lucro líquido de R$ 39,5 milhões, alcançando, no acumulado dos últimos doze meses, um lucro líquido de R$ 151,3 milhões, com faturamento de pouco mais de R$ 1,2 bilhão



Fonte: Maquina do Esporte