Nave cai, e Israel falha ao tentar se tornar o 4º país a pousar na Lua


Motor desligou pouco antes de a aeronave aterrissar no satélite terrestre; ainda assim o país considera a missão ‘um sucesso’

Por
Da Redação

access_time

12 abr 2019, 08h10 – Publicado em 12 abr 2019, 01h06

Uma missão privada israelense falhou ao tentar pousar na Lua nesta quinta-feira 11. Batizada de Beresheet, a pequena espaçonave desligou e perdeu comunicação com a Terra quando se aproximava do satélite. O projeto seria o primeiro com financiamento privado a chegar à Lua e Israel seria o quarto país a conseguir o feito – apenas EUA, Rússia e China foram capazes de pousar de forma bem sucedida.

Opher Doron, gerente da Indústria Aeroespacial Israelense, disse que o motor desligou pouco antes de a aeronave aterrissar. Doron, entretanto, considera a missão um sucesso: “É a menor e mais barata espaçonave a chegar até a Lua”.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que conseguiu formar coalizão no parlamento para um quinto mandato nesta semana, acompanhava a transmissão ao vivo da missão e se mostrou satisfeito. “Nós chegamos à Lua, mas queremos pousar de forma mais confortável e isso vai acontecer da próxima vez. Nós vamos tentar novamente”, disse Netanyahu.

Do tamanho de uma máquina de lavar roupa, a espaçonave pegou carona em um foguete Space X Falcon, lançado da Flórida em fevereiro. A Beresheet, que significa Genesis ou “início”, rodou em volta da Terra várias vezes e percorreu 6,5 milhões de quilômetros antes de atingir a órbita lunar e cair perto de onde as missões Apollo, dos EUA, aterrissaram.

A iniciativa israelense começou após o Google prometer prêmio de 20 milhões de dólares para a primeira missão com financiamento privado que pousasse na Lua. A competição chegou ao fim no ano passado sem vencedores depois do vencimento do prazo.

Aos 37 minutos de transmissão os problemas começam a aparecer. Os narradores falam em hebraico e inglês sobre os problemas nos motores e a falha de comunicação com a espaçonave.

(Com Estadão Conteúdo)





Fonte: Veja