Nobel da Paz reconhece dois símbolos da luta contra a violência sexual


O ginecologista congolês Denis Mukwege e a ativista yazidi Nadia Murad, dois símbolos da luta contra a violência sexual, receberão na segunda-feira o Prêmio Nobel da Paz, que este ano chamou a atenção para o uso do estupro como arma de guerra.

Murad, 25 anos, e Mukwege, 63, receberão o prêmio em Oslo. Os dois foram reconhecidos pelo Comitê Nobel “por seus esforços para acabar com o uso da violência sexual como arma de guerra”.

Mukwege trabalha há 20 anos no tratamento das feridas e traumas das mulheres que são vítimas de abusos no leste da República Democrática do Congo, região afetada pela guerra. 

“Nós fomos capazes de traçar uma linha vermelha contra as armas químicas, as armas biológicas e as armas nucleares”, declarou à AFP em 2016. “Agora devemos traçar também uma linha vermelha contra o estupro como arma de guerra”.

Murad se tornou uma incansável defensora dos direitos dos yazidis desde que sobreviveu aos horrores do cativeiro nas mãos do grupo Estado Islâmico (EI), que conquistou amplas faixas de território no Iraque e Síria e transformou a comunidade de língua curda em um de seus alvos.

Capturada em 2014, foi submetida a um casamento forçado, agredida e vítima de um estupro coletivo antes de escapar.

Os dois vencedores dedicaram o prêmio às mulheres que sofrem violência sexual em todo o mundo.





Fonte: O Tempo