Página viraliza nas redes ao traduzir expressões brasileiras para o inglês


Em novembro de 2018, Matheus Diniz, 26, designer e pós-graduado em marketing digital, criou uma sequência de tuítes traduzindo expressões e ditados brasileiros ao pé da letra (mesmo) para o inglês. Obviamente, as frases fora de sua língua materna perderam o contexto, mas, em contrapartida, ficaram hilárias.

Afinal, who are you in the line of the bread (quem é você na fila do pão)?

Ao #VirouViral, Matheus Diniz disse que teve a ideia de fazer os tuítes após pensar na expressão “ossos do ofício” que, ao pé da letra, traduzida para o inglês, ficou: Bones of the craft. Aos que não são próximos da língua inglesa, o humor se dá por um caso semelhante ao dos cardápios de restaurantes que viralizaram na época da Copa do Mundo, com transposições que não levavam em conta o significado da palavra, apenas sua grafia.

Em dois casos compartilhados no stories do Instagram do Aurelius Dictionary, projeto onde Matheus posta as traduções mais hilárias, é possível entender o sentido “dúbio”. O chá mate, que aparece apenas como “mate” na versão em português, se tornou “kill”, que, em inglês, significa “matar” ou “assassinar”. Em outro, a tradução de “camiseta de manga cavada” se transformou em “shirt with mango cavada”, mas o problema: mango, ou manga, é a fruta, e não a parte da camiseta.

Criado em fevereiro de 2019, o Aurelius Dictionary tem, atualmente, 134 mil seguidores. De acordo com Matheus, os posts do Instagram revisitam os tuítes mais engraçados – mas de uma forma mais visual. “Foi uma maneira de colocar em prática aquilo que aprendi em minha formação”, afirma o designer. Agora, os posts são em forma de dicionário e é quase como se explicassem para um “gringo” o significado de algumas das expressões mais queridas ou usadas pelos brasileiros.

Além da sua própria criatividade, Matheus conta com o apoio dos seguidores da página. “As pessoas mandam muitas sugestões e essa é a parte interativa e divertida do projeto. Todo mundo conhece alguma expressão ou ditado popular e me mandam, contribuindo para a criação das publicações”, conta.

Com a enxurrada de respostas e sugestões, Matheus decidiu criar um grupo para que a comunidade participasse ainda mais do processo criativo. “Surgem todos os tipos de traduções, mesmo que não sejam frases. Colocamos, por exemplo, memes e características do brasileiro”. Depois, os melhores resultados são publicados na página, seja Instagram ou Facebook, e os créditos dado ao autor.

Diniz se diz “empolgado” com o projeto, e vê uma grande possibilidade de crescimento. Juntas, as contas no Twitter, Instagram e Facebook somam mais de 200 mil curtidas.





Fonte: Veja