Presidente Venceslau se divide após saída de membros do PCC


Penitenciária do município paulista abrigava os integrantes da facção criminosa, incluindo o líder Marcola

Por
Da Redação

access_time

14 fev 2019, 12h16

Os 40 mil moradores de Presidente Venceslau, no oeste do estado de São Paulo, estão divididos entre o alívio pela saída dos integrantes do PCC que estavam na penitenciária de segurança máxima da cidade e o medo de represálias. Vinte e dois presos ligados à facção, incluindo o líder Marcola, foram transferidos nesta quarta-feira, 12, para presídios federais de segurança máxima.

“Houve ameaças de atentados a bancos e repartições públicas, se eles fossem transferidos. Está todo mundo muito tenso e de prontidão”, diz o presidente da Associação Comercial e Industrial, Eliomar Gomes da Silva. Ele espera que a promessa de se manter uma força-tarefa de segurança na cidade seja cumprida.

Mais otimista, o secretário municipal de Ações Estratégicas, Élcio de Paula Souza Filho, acredita que a população está mais aliviada. Ele lembrou que o medo aumentou no fim do ano passado, quando se fez uma “operação de guerra” para controlar o entorno, após a descoberta de um plano de resgate de Marcola. “Vieram equipes de referência da Polícia Militar, como a Rota. O aeroporto foi fechado com barreiras físicas durante 20 dias.”

Em Porto Velho, onde a penitenciária federal que recebeu parte dos presos fica a 50 quilômetros da área urbana, alguns moradores estão receosos. “Pelo histórico, quando esses presos famosos são transferidos, os familiares vêm atrás, os seguidores. Então, é arriscado”, disse o professor Augusto Ribeiro da Fonseca.

“Mesmo que a gente não saiba de fuga de presos ou rebelião no presídio de Porto Velho, a gente acompanha os casos do Ceará, e de outros Estados, que passam por problemas com essas facções”, disse a funcionária pública Fátima Santos.

(Com Estadão Conteúdo)



Fonte: Veja