Renault nomeia ‘chefe’ interino, mas mantém Carlos Ghosn na presidência | Auto Esporte

Saiba quem é e qual a trajetória de Carlos Ghosn  — Foto: Fernanda Garrafiel/G1


O conselho administrativo da Renault nomeou nesta terça-feira (20) como “chefe” interino o número dois da empresa, Thierry Bolloré, mas não tirou de Carlos Ghosn o cargo de presidente-executivo e presidente do conselho da empresa.

O brasileiro Ghosn foi preso na última segunda-feira (19), sob acusação de sonegação e uso indevido de bens da Nissan, empresa com a qual a Renault mantém uma aliança e da qual é a maior acionista.

Mais cedo, o governo francês, de detém 15% das ações da Renault, tinha pedido à montadora que nomeasse uma governança interina, mas não exigia a retirada de Ghosn do conselho da empresa, porque ainda não há condenação formal ou provas.

O conselho da Nissan, que já indicou que demitirá Ghosn, se reúne na próxima quinta (22). O executivo é o atual presidente do conselho da fabricante japonesa.

Bolloré, de 55 anos, que o próprio Ghosn escolheu como braço direito em fevereiro passado, recebeu a direção executiva “provisória” da Renault e, portanto, terá “os mesmos poderes” que o presidente, que mantém o seu cargo, considerado “temporariamente impedido”, disse a empresa em um comunicado.

O conselho indicou que se reunirá regularmente sob a presidência do diretor principal, Philippe Lagayette, “para preservar os interesses da Renault e garantir a sustentabilidade da aliança” com os fabricantes japoneses Nissan e Mitsubishi, a terceira de aliança.

França e Japão tinham reafirmado, nesta terça, seu forte apoio às 3 montadoras cujas ações caíram após as notícias da prisão.

Ghosn, de 64 anos, está preso em um centro de detenção de Tóquio, após ser detido na segunda-feira quando saía de seu jatinho particular.

Saiba quem é e qual a trajetória de Carlos Ghosn  — Foto: Fernanda Garrafiel/G1

Saiba quem é e qual a trajetória de Carlos Ghosn — Foto: Fernanda Garrafiel/G1



Fonte: G1